QUIOSQUE logo_cnccr
ip_n_874_1922_11_18_thumb ip_n_875_1922_11_25_p_559_thumb ip_n_877_1922_12-09_p_623_thumb ip_n_862_1922_08_26_thumb
ip_n_876_1922_12_02_p_591_thumb ip_n_863_1922_09_02_thumb ip_n_861_1922_08_19_p_177_thumb thumb
thumb thumb thumb thumb
thumb thumb thumb
abc_thumb cigarra_thumb gafa_thumb pinta_thumb
paginainfantil_thumb ppum_thumb notmiudinho_thumb sportsinhos_thumb
carlitos_thumb

História do Quim e do Manecas

Os heróis de banda desenhada Quim e Manecas foram criados em 1915, por um dos principais ilustradores portugueses, Stuart de Carvalhais. Eram duas crianças traquinas, acompanhadas por personagens como a Tia Leocádia, Nariz de Folha, Braço de Prata, o Polícia, e o Cão Piloto, que viveram aventuras que representaram época em que foram criadas, fazendo sempre uma importante crítica social. A própria guerra, conjuntura na qual nasceram, não lhes passou despercebida tornando-se num dos principais palcos para as suas aventuras.

A sua grande popularidade fez com que fossem utilizados na publicidade a produtos de crianças, chegando também a protagonistas de um dos primeiros filmes de animação portugueses, que estreou em 1916 e contou com a participação de Stuart de Carvalhais, como actor e argumentista.

O fim da Primeira Guerra Mundial coincidiu com o desaparecimento das aventuras do Quim e Manecas dos periódicos portugueses, reaparecendo mais tarde, no ano de 1931, na revista Sempre Fixe, com o nome de Manecas e o João Manuel.